Skip to main content

As internações hospitalares vêm crescendo a cada ano. Resultado do aumento constante da expectativa média de vida em todo o mundo, envelhecimento da população e maior acesso aos centros de saúde. Nesse contexto, é inevitável citar as implicações do Covid-19, que provocaram uma multiplicação recorde no número de internações.

Na linha de frente, os profissionais de saúde precisam lidar com rotinas árduas e complexas, à medida que as instituições se tornam cada vez mais lotadas. Só para ter uma ideia, cerca de 1 a cada 2 médicos relatam pelo menos um sintoma da síndrome de burnout. O que pode levar à insatisfação, má qualidade do atendimento e erros nos procedimentos.

50% dos médicos apontam pelo menos um sintoma de burnout

Então, o que pode ser feito para aliviar parte da pressão sobre as equipes de saúde? Para superar esses desafios, as instituições estão recorrendo à tecnologia como uma forma de melhorar a eficiência dos processos. Confira 5 benefícios da gestão integrada para o dia a dia dos profissionais de saúde. Vamos nessa?

1. Economia de tempo na gestão do estoque

As equipes médicas têm vidas estressantes. E os membros do time dependem da precisão, inteligência emocional e capacidade de tomar boas decisões. É por isso que qualquer coisa que facilite suas rotinas de trabalho é extremamente benéfico para o setor de saúde a longo prazo.

Não à toa, cerca de 47% desses profissionais já utilizam ferramentas tecnológicas para auxiliar suas tarefas diárias — seja para se comunicar com os pacientes ou para ter acesso a informações técnicas. Mas onde a gestão integrada se encaixa nisso?

47% dos profissionais de estoque utilizam ferramentas tecnológicas em sua rotina.

Imagine, por exemplo, a dinâmica complexa de um hospital ou uma rede de laboratórios e o esforço diário que é administrar os materiais necessários para cada consulta, bem como compilar os relatórios de utilização de cada medicamentos e manutenção por vias analógicas. Trabalho dobrado e cansativo, não é?

Com uma gestão integrada, você não precisa lidar mais com papeladas e planilhas de Excel e passa a poupar tempo por meio do registro online. Sem contar que o processo de entradas e saídas de insumos do estoque pode ficar ainda mais ágil com a adoção de um código de barras ou QR code exclusivo.

Dessa forma, a equipe pode escanear facilmente materiais de saúde para manter um banco de dados confiável e melhorar o tempo de processamento das informações. Tudo isso permite que as equipes médicas superem os gargalos operacionais e se concentrem no que realmente importa: os pacientes.

2. Segurança de abastecimento dos insumos

As equipes de saúde tendem a lidar com várias situações de emergência diariamente, muitas das quais requerem o uso de produtos e medicamentos caros. Devido ao fluxo constante de pacientes, as instituições de saúde devem ter um sistema de gestão robusto para que as reposições possam ser feitas a tempo e nenhum recurso seja desperdiçado tentando encontrar um substituto no último minuto.

Isso vale tanto para insumos caros, que devem ser pedidos com bastante antecedência, como para os itens não críticos, mas utilizados em grande volume e que precisam ser abastecidos constantemente.

Felizmente, a aquisição de insumos torna-se muito mais fácil com a ajuda de um software integrado, muito eficiente na tarefa de eliminar gargalos ao longo da cadeia de abastecimento e serviço.

3. Manutenção preventiva dos equipamentos

Os equipamentos de saúde devem funcionar em todas as circunstâncias. Claro que planejamentos e estratégias precisam ser traçadas para o caso de situações inesperadas, como queda de energia, por exemplo. Mas não podemos esquecer a manutenção regular também.

Nesse ponto, vale ressaltar a importância de estruturar a manutenção de uma forma que reduza as interrupções por meio de um software que planeje sessões de reparo com bastante antecedência. Um planejamento de manutenção programada pode ajudar a:

  • Diminuir o tempo de inatividade de máquinas e equipamentos;
  • Melhorar a eficiência operacional por meio de rotinas de inspeção;
  • Reduzir os custos indiretos, uma vez que o foco está em substituições prematuras de peças;
  • Aumentar a segurança e controle de qualidade nas instituições de saúde.

Todas essas medidas permitem que as ferramentas e materiais atendam aos padrões regulatórios e de conformidade — o que é crucial para manter a credibilidade nos serviços das instituições de saúde. O resultado: menor pressão nos ombros das equipes médicas e aumento da confiança em seus locais de trabalho.

4. Maior controle dos produtos armazenados

Os estoques dos serviços de saúde guardam uma variedade de itens que incluem desde EPIs — Equipamentos de Proteção Individual — até medicamentos, injeções, alimentos e materiais de escritório. Alguns produtos possuem uma vida útil limitada e, portanto, devem ser estocados de maneira adequada, respeitando as condições de armazenamento e temperatura.

Contar com um sistema que rastreie e identifique facilmente os itens é essencial para evitar práticas inadequadas. Por exemplo, uma pesquisa recente da Cardinal Health mostrou que aproximadamente um quarto dos funcionários dos hospitais estudados viram ou ouviram falar de produtos vencidos usados em pacientes. Este é um dado alarmante, mas que, felizmente, pode ser facilmente evitado.

24% dos funcionários dos hospitais pesquisados, viram ou escutaram falar de equipamentos/medicamentos vencidos utilizados em pacientes.

Um sistema de gestão integrada permite que a equipe de saúde monitore o estoque desde o momento da compra até o consumo, além de enviar alertas quando um item estiver prestes a vencer ou acabar. Ou seja, além de garantir as boas práticas, evita que os profissionais se envolvam em processos de negligência médica.

5. Aumento da conformidade na gestão de estoque

Os serviços de saúde são organismos complexos que atendem a todos os tipos de pacientes. Por esta razão, eles precisam dispor de insumos específicos com características e instruções de armazenamento próprias.

Sem um software confiável, que controle as entradas e saídas desses diferentes itens, os materiais podem ser extraviados ou desperdiçados com muita facilidade e o negócio de saúde corre o risco de sofrer bloqueios nos fluxos de trabalho das equipes médicas.

Para evitar tais incidentes, a gestão integrada e digital do inventário possibilita que a equipe rastreie e assuma o controle de todos os materiais em um banco de dados centralizado. Isso torna o monitoramento do uso de ferramentas mais fácil, reduzindo perdas e atividades fraudulentas. Com um sistema de segurança rígido, as operações e procedimentos serão conduzidos de acordo com os requisitos de boas práticas e compliance.

Gestão integrada e soluções baseadas na nuvem

Embora a automação e integração da gestão no setor de saúde tenha começado de forma tímida, a crescente adoção e confiança em novas tecnologias tem sido encorajadora — e aqui podemos citar o uso exponencial de prontuários e registros eletrônicos e a procura por soluções de digitalização, baseadas na nuvem.

Dessa forma, não é equivocado dizer que este é o melhor momento para os serviços de saúde investirem em um sistema automatizado e digital. Como vimos, a gestão integrada pode ajudar as instituições a ultrapassar muitos dos desafios relacionados a custos, produtividade, segurança e muito mais; aliviando grande parte da carga administrativa das equipes médicas.

Curtiu nossas dicas? Então não perca o artigo sobre as vantagens de integrar compras e estoque e não pare de crescer!